Tajikistão: A natureza em estado bruto

img_4751.jpg

Esse ano decidi ir para a Rússia acompanhar o Brasil na Copa do Mundo. Além disso, resolvi conhecer alguns países da antiga União Soviética. Durante minhas pesquisas um país me chamou atenção por ser quase totalmente coberto por montanhas, com muitas opções de contato com a natureza, possuir uma cultura ainda muito preservada e baixo custo: Tajikistão.

Eu não sabia muito sobre o país quando iniciei minhas pesquisas. Encontrei pouca informação na internet e nos livros, diferentemente dos vizinhos mais famosos, Cazaquistão e Uzbequistão. Este último também tive oportunidade de visitar, mas isso é assunto para outro post.

O Tajikistão é o menor em território e o mais pobre dos países da Ásia central. Mais de 90% do país está em área montanhosa e grande parte da população vive no meio rural nas montanhas, o que faz com que seus costumes sejam mais preservados. Povo muito hospitaleiro e mesmo quem não fala inglês (maioria) ainda se esforça para se comunicar e para interagir com os estrangeiros.

IMG_4813

As maiores atrações são as grandes aventuras nas montanhas, como cruzar o país até a China pela Pamir Highway, uma das estradas de maior altitude do mundo e também de grande beleza, ou por meio de um das inúmeras opções de Trekking que o país oferece. Escolhi a segunda opção e fui desbravar as Fann Mountains.

Fann Mountains

Muitas são as opções de trekking nas belas montanhas no oeste do país próximo da fronteira com o Uzbequistão. Os percursos variam de trilhas diárias a 11 dias de trekking, com diferentes níveis de dificuldade. Escolhemos o percurso de 4 dias, saindo do Artuch Camp e indo até Alaudin Lakes.

Dia 1 –  Chegada nas Fann Mountais – Lake Chukurak e Ziorat

Chegamos no Tajikistão por via terrestre, vindo do Uzbequistão. Nosso guia, Humo, nos esperava na fronteira e no caminho paramos para conhecer as ruínas mais antigas do país, de mais de 10.000 anos, na cidade de Penjikent.

IMG_4317

Seguimos viagem e entramos nas montanhas. Outra parada para conhecer o Máusoleu de Rudaki, o mais famoso poeta do país. Belo local no meio das montanhas.

IMG_4331

Após aproximadamente 3 horas de viagem, chegamos no acampamento Artuch por volta de meio dia, tempo suficiente para fazer nosso primeiro dia de trekking. Conhecemos os lagos Chukurak e Ziorat, que ficam escondidos em meio as montanhas acima do Artuch Camp.

IMG_E4407

Após uma hora e meia de subida íngreme, chegamos ao  lago Chukurak. Lindo lago de água verde esmeralda, em meio a uma vegetação bem diferente.

IMG_4401

É a metade do caminho até o lago Ziorat. Seguindo encontramos alguns nômades que vivem na região. Eles ficam em casas de pedra e migram com suas vacas e ovelhas de acordo com o clima da região. É muito legal a interação com os nômades, especialmente com as crianças.

IMG_4457

Após 3km de subida, foram mais 3km de descida para assistir ao pôr do sol e pernoitar no Artuch Camp, um refúgio com quartos e banheiros. Confesso que fiquei surpreso com o conforto do local.

IMG_E4508

Nesse primeiro dia foram aproximadamente 6km de caminhada, em 3 horas. O lago Ziorat fica a uma altitude de 2600 metros. Dormimos no acampamento a 2200 metros de altitude.

Dia 2 – Trekking até Kulikalon Lakes

No segundo dia, caminhamos por volta de 12km em aproximadamente 6 horas. Muita subida por um belo cenário em meio as montanhas.

 

Paramos para comer na beira de um belo rio e continuamos caminhando até chegar a um platô com vários lagos: Kulikalon Lakes

IMG_4564

A vista do primeiro lago é fantástica, com as montanhas nevadas ao fundo, árvores retorcidas pelo vento e águas cristalinas.  As fotos não conseguem traduzir a beleza deste lugar.

Continuamos a trilha passando por mais alguns lagos até chegar ao lago Bibijanat, local do nosso acampamento. Nunca acampei em um lugar tão bonito. De frente para um lago, com uma cachoeira ao lado e as montanhas nevadas ao fundo. Tivemos a oportunidade de assistir uma avalanche de dentro da nossa barraca. Enfim, foi uma experiência surreal.

Após a montagem do acampamento fizemos uma pequena caminhada de aclimatação, e voltamos para fazer uma fogueira e interagir com os nossos amigos Tajiks, que eram nossos guias e carregadores. Ao todo em nosso grupo continha 5 turistas, 2 guias, 1 cozinheiro e 4 carregadores. Na verdade os carregadores colocavam as mochilas e barracas no lombo dos burros e tocavam os animais pelas montanhas. O acampamento ficava a uma altitude de 2800 metros.

Dia 3 – Atravessar Alaudin Pass até Alaudin Lakes

O terceiro dia é realmente difícil. Aproximadamente 16km de trekking feitos em 4 horas de subida muito íngreme e depois mais 4 horas de descida mais íngreme ainda.

IMG_4670

Saímos pela manhã e fomos subindo até o Alaudin Pass, a uma altitude de 3900 metros. Dá para sentir um pouco a falta de ar a esta altitude e por isso a caminhada é um pouco mais difícil, mas a vista compensa. Passamos por lindos lagos e campos floridos no caminho.

IMG_4690

Além disso tivemos que atravessar algumas partes cobertas de gelo até alcançar o topo da montanha. A vista era incrível para os 2 lados.

IMG_4710

IMG_4757

Depois é descida que não acaba mais. Haja joelho!!! Foi sofrido mas conseguimos. Chegamos em Alaudin Lakes, um conjunto de lagos azuis no pé das montanhas.

image034

IMG_E4774

Novamente acampamos na beira de um lindo lago em meio a natureza selvagem. O acampamento ficava em 2700 metros de altitude.

Dia 4 – Iskanderkul Lake e Fann Niagara

Saímos do acampamento pela manhã e chegamos até o nosso ponto de resgate, Vertical Camp. De lá pegamos a Van que nos levou até o lago Iskander Kul, famoso por ser o lago de Alexandre, o grande. No caminho muitas paisagens impressionantes no meio das Fann Mountains. Vários vilarejos típicos, montanhas e rios. Cenários surreais.

IMG_4833IMG_4819

A van nos deixou em uma acomodação na beira do lago e partimos para continuar nosso último dia de caminhada.

IMG_4909

Esse dia é bem tranquilo. Caminhamos um pouco em volta do lago Iskander Kul e fomos visitar o Snake lake, um lago que é famoso pelas cobras d’água. Não vimos nenhuma, mas dizem que é muito comum de ver. Em seguida fomos visitar a maior cacheira da região, Fann Niagara. A cachoeira é impressionante pelo grande volume de água.

IMG_4905

A acomodação foi em quarto na beira do lago Iskanderkul. Também muito confortável.

A comida durante os 4 dias de trilha foi muito boa e em grande quantidade. Foi uma surpresa agradável. Não tivemos qualquer problema com a comida durante os 4 dias.

Dia 5 – Ida para Dushambe e adeus Tajikistão

No nosso último dia, acordamos cedo e seguimos viagem de van para Dushambe, capital do Tajikistão. Foram 3 horas de viagem e mais uma vez uma paisagem maravilhosa. No caminho passamos pelo Anzob Túnel.

IMG_4921

O túnel foi considerado no passado o mais perigoso do mundo, uma vez que tem 6km de extensão e era muito esburacado, provocando muitos acidentes. Hoje a situação é diferente, com as condições bem melhores.

Em Dushambe fizemos o city tour na parte da tarde, conhecendo os principais parques e atrações da cidade. Dormimos no excelente Hotel Atlas, antes de pegar nosso vôo para a Rússia.

IMG_4974

Com quem fazer o Trekking?

A empresa Paramount Journey foi excelente do princípio ao fim. Alovaddin, dono da empresa, é muito prestativo e me ajudou a construir o roteiro, esclareceu todas as minhas dúvidas e ainda me passou um excelente contato para me ajudar na viagem ao Uzbekistão. Nosso guia Humo foi espetacular. Trabalhou com excelência dando importantes informações sobre a cultura local e nos ajudando durante todos esses dias. Seu ajudante, Hussein também foi muito bem nessa jornada.

http://paramountjourney.com/en/

Quando ir?

A melhor época para fazer o trekking nas Fann Mountains é no verão da Ásia Central, entre os meses de junho e setembro.

Como Chegar?

O país tem 2 aeroportos internacionais, Khujand e Dushambe, que tem vôos para a Rússia e alguns destinos da Ásia Central. Também é possível chegar por via terrestre pelo Quirguistão, Cazaquistão ou Uzbequistão. No meu caso, cheguei via terrestre pelo Uzbequistão e voltei voando de Dushambe para Krasnodar, na Rússia, pela empresa Ural Airlines.

Visto?

Brasileiros precisam de visto para visitar o Tajiquistão. Como não temos embaixada do Tajikistão no Brasil, o visto deve ser obtido online e é muito fácil:

https://www.evisa.tj/

 

 

 

 

 

 

 

Categorias: Ásia, Tajikistão | Tags: , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: