Trekking no topo do mundo: Everest Base Camp + Gokyo

img_3157.jpg

Talvez o trekking mais famoso, sonho de todo aventureiro, a caminhada até a base da maior montanha do mundo é uma aventura ímpar. Altitude, frio, preparo físico, comida, contusões, condições climáticas e o voo para o aeroporto considerado o mais perigoso do mundo estão entre as variáveis, mas superar tudo isso vale a pena quando se tem contato com uma cultura milenar e algumas das paisagens mais bonitas do mundo.

 

Qual trekking?

A caminhada padrão até o acampamento base do Everest tem início no vilarejo de Lukla e leva entre 10 e 12 dias (ida e volta), mas pode ser combinada com diversas outras trilhas na região.

Além da caminhada de 10 dias para o acampamento base do Everest, há também outra trilha famosa do Parque Nacional de Sagarmatha: o trekking ao vale de Gokyo (8 dias). Ele é conhecido por ter alguns dos mais belos visuais de todo Himalaia.

FullSizeRender (4)

As duas trilhas podem ser combinadas em uma só, cruzando um alto passo de montanha (Cho La Pass – 5600m) em um trekking de 15 a 17 dias. E foi essa opção que escolhi. Apesar de ser um trekking bem “puxado”, recomendo muito.

Por onde começar?

A aventura tem início em Kathmandu, capital do Nepal, com a preparação para o trekking e o voo de 40 minutos até o famoso aeroporto de Lukla, conhecido como um dos mais perigosos do mundo. Diversas empresas fazem esse voo e normalmente ele está incluído nos pacotes de trekking contratados com as agências.

IMG_2805

O aeroporto de Lukla fica no meio das montanhas e possui uma pista curta e inclinada (para ajudar os aviões a freiarem) e os vôos são frequentemente cancelados por mau tempo. Geralmente os aviões decolam de Kathmandu entre 6h e 8h da manhã, pois nesse período há maior probabilidade de bom tempo.

Quando fazer o trekking?

Existem basicamente duas temporadas de trekking no Nepal, cada uma com suas vantagens:

Março a Maio: tempo geralmente bom, mas com possibilidade de um pouco de chuva e cancelamento de voos. As montanhas estão com bastante neve (visual muito bonito) e a trilha com muitas flores, especialmente Rhododendrons, flor símbolo do Nepal. Essa é a única estação para subir ao topo do Everest e por esse motivo visitar o acampamento base nessa época é muito legal, porque ele fica cheio de barracas e de escaladores se preparando para chegar ao topo do mundo. Escolhi essa temporada e fiz o trekking no final de abril até o início de maio. Não tive problema com os voos e peguei apenas um dia de chuva (além de 2 nevascas, mas essas foram legais).

Setembro a Novembro: época mais seca e portanto com melhor tempo e menor possibilidade de cancelamentos de voos. Entretanto as montanhas não estão com tanta neve e o acampamento base fica vazio. É também a época mais cheia do trekking.

Entre dezembro e fevereiro é o inverno no Nepal e o trekking não é recomendado pelo frio extremo, assim como na época das monções, que vai de junho a agosto.

DSCN1607

Eu consigo?

O trekking só até o acampamento base do Everest não exige muito fisicamente, mas possui muitas variáveis que podem dificultar a jornada, como a altitude, o frio e possíveis contusões/problemas de saúde, como gripe e problemas intestinais por causa da comida e água da região.

Portanto não é necessário ser profissional, nem super atleta para fazer o trekking, mas sim tomar algumas precauções, como aclimatar adequadamente, ter cuidados na alimentação e na purificação de água, utilizar álcool gel para limpar as mãos antes de comer e levar equipamentos adequados.

Para quem optar por incluir Gokyo no roteiro, é melhor estar mais bem preparado fisicamente. Primeiro porque o trekking é muito longo (entre 15 e 17 dias), segundo por causa do dia de cruzar o Cho La Pass, que exige muito fôlego e resistência.

dscn1751.jpg

Como foi meu trekking?

Dia 1: Lukla – Phakding (9km / 2700m):

Vôo para Kathmandu e trekking de Lukla para Phakding. A emoção do dia é o voo para Lukla. Por sorte o céu estava azul, sem uma nuvem, e correu tudo bem. O trekking até Phakding é bem leve e dura aproximadamente 3 horas, cruzando as primeiras pontes suspensas e dando passagem aos yaks.

IMG_2811IMG_2807

Algumas pessoas andam mais 3 horas até Monjo, mas a grande maioria fica em Phakding. Paguei 3 dólares por um banho quente na nossa hospedagem. Ficamos no Snowland Lodge e recomendo muito.

Dia 2: Phakding – Namche Bazaar (12km / 3400m):

Um dia de trekking difícil, mas muito bonito, passando por várias pontes suspensas e uma subida interminável no final, antes de chegar ao principal centro comercial da região, a cidade Sherpa “Namche Baazar”.

img_2828.jpgIMG_2876

Ficamos hospedados no Green Tara Lodge, onde há um belo terraço com vista para as montanhas. Ao chegar, fomos contemplados com um lindo pôr do sol. A comida deste lodge foi a melhor da trilha, com opções como batata assada com legumes e ovos, além do tradicional Dal Bhat e várias opções de massas e sopas. Além disso, esse lodge tinha tomada no quarto, coisa rara durante o trekking. Na maioria dos lugares para carregar celular ou câmera é necessário pagar entre 3 e 5 dólares. O power bank me salvou de gastar com isso.

Dia 3: Aclimatação em Namche bazaar (10km / 3900m):

Importante dia de aclimatação. Caminhamos até o museu do Everest, onde tem a estátua do inglês Edmond Hillary, a primeira pessoa a escalar o Everest junto com Tenzing Sherpa.

IMG_2923IMG_2885IMG_2887

Depois fomos ao Everest View Hotel, um hotel de luxo construído por japoneses de onde pode-se ver o Monte Everest de longe. Caminhamos até Khumjung e voltamos para dormir em Namche. É muito importante fazer esse dia de aclimatação, ou seja, caminhar a uma altitude grande e dormir em um lugar mais baixo. Na nossa hospedagem tomamos um banho quente, pois sabíamos que outro banho seria raro neste trekking. Namche é um bom lugar para comprar equipamentos necessários para o trekking, caso esteja faltando alguma coisa, como luvas de montanha, protetor para o pescoço e rosto, crampons (para quem for cruzar o Cho La Pass) e gorro.

Dia 4: Namche Bazaar – Tengboche (11km / 4000m):

Foi o único dia da viagem que pegamos tempo ruim. Choveu muito. A caminhada foi um pouco puxada e chegamos ao monastério de Tengboche a tempo de ver o momento de oração dos monges, as 15 horas.

IMG_2934IMG_2972IMG_2979

Não é permitido entrada de câmeras dentro do monastério. Em Tengboche ainda é possível ver os estragos do terremoto. Algumas partes do monastério ainda estavam sendo reconstruídas e outras apoiadas com troncos de madeira para não desabar. Ficamos hospedados no Tengboche Guesthouse. Foi a hospedagem que menos gostei, principalmente porque os quartos eram muito pequenos e tinha que sair na chuva para ir ao banheiro. Estava um frio absurdo à noite, garganta ruim e pegar chuva para ir ao banheiro não foi nada legal.

Dia 5: Tengboche – Dingboche (13km / 4400m)

Acordamos e o tempo tinha melhorado. Foi uma bela caminhada com vista do monte Ama Dablan, talvez a montanha mais bonita da região.

IMG_2961

IMG_3023IMG_3021

Passamos pela última ponte suspensa e algumas estupas. Cenário maravilhoso e muita subida antes de chegar em Dingboche, onde ficamos no Yak Lodge. Mais uma hospedagem bem simples, mas a comida era muito boa. Em Dingboche tem a última farmácia pelo caminho e é um bom lugar para comprar tudo que for necessário, pois a partir de Lobuche não se encontra praticamente nada para comprar e os preços são bem salgados (Sneakers, papel higiênico, lenços, medicamentos, etc…)

Dia 6: Aclimatação em Dingboche (8km / 4700m)

Subimos até o topo da montanha ao lado de Dingboche para fazer aclimatação. Poderíamos ter andado mais, mas o grupo estava bem cansado. Valeu a pena pelas vistas espetaculares de Dingboche e das montanhas ao redor.

IMG_3081IMG_3080

Depois do trekking estava bem calor, esquentamos água em um balde e tomamos um banho ao ar livre, pois a partir dali, banho seria uma tarefa bem complicada.

Dia 7: Dingboche – Lobuche (10km / 4900m)

Subida puxada com vento muito forte. A altitude começa a pesar nesse dia. Vista para diversas montanhas. Paramos para almoçar em Dughla.

IMG_3101IMG_3103IMG_3102

Antes de chegar a Lobuche a parada é no memorial para ver as homenagens aos alpinistas mortos na região, entre eles Scott Fischer, cujo acidente é retratado no filme Everest. Em Lobuche ficamos hospedados no Oxigen Lodge. Simples, mas aconchegante. Esse dia fez um frio absurdo à noite.

Dia 8: Lobuche – Gorak Shep – Everest Base Camp (13km / 5400m)

Saída bem cedo de Lobuche. No caminho avistamos várias montanhas e em um certo ponto dá pra ver o acampamento base do Everest de longe, antes de chegar ao pequeno vilarejo de Gorak Shep, onde almoçamos. De lá fomos até o acampamento base (5400m), que é marcado por várias bandeiras. O acampamento estava lotado de barracas de alpinistas por ser temporada de escalada do Monte Everest. As barracas ficam distribuídas na lateral da cascata de gelo do Khumbu Glacier, onde começa a escalada ao topo do mundo. Conhecemos o acampamento, tiramos muitas fotos e voltamos para dormir em Gorak Shep. Foi um dia bem cansativo.

img_3114.jpgDSCN1620

Foi a noite que dormimos em uma maior altitude (5200m). Durante a noite o nível de respiração diminui e os efeitos da altitude ficam evidentes. Praticamente não consegui dormir, com muita falta de ar e taquicardia. Ficamos no Budha Lodge. Para ir ao banheiro, era necessário sair do hotel, pois o anexo que estava meu quarto não tinha banheiro. Durante a noite era uma tarefa quase impossível, e por isso comprei uma garrafa de água de 2 litros para beber e usar a garrafa como banheiro durante a noite.

Dia 9: Gorak Shep – Kala Pattar – Dzongla (13km / 5600m)

Acordamos às 5 da manhã e subimos a montanha Kala Pattar (5600m) para ver o sol nascer atrás do Everest. Estava um frio tão absurdo que minhas águas congelaram. Descemos até Gorak Shep, tomamos café da manhã e fomos até Lobuche, onde almoçamos.

IMG_3172IMG_3194

De lá, saímos da trilha do Everest, virando a direita para ir até Dzongla, onde chegamos no final da tarde debaixo de uma nevasca.  A hospedagem foi muito boa na Maison Sherpa. Utilizamos o fogareiro para secar nossas coisas (havia muita coisa molhada). Foi nesse dia que descobri que utilizavam fezes secas de yak para acender o fogo.

DSCN1640

Dia 10: Dzongla – Cho La Pass – Tagnag (11km / 5800m)

Com certeza o dia mais difícil do trekking. É necessário verificar as condições antes de cruzar o Cho La pass, uma vez que o caminho pode ser muito perigoso quando tem muita neve e pode ficar impassável. Estávamos preocupados, pois quando estávamos chegando em Dzongla na noite anterior começou a nevar muito forte, mas o dia amanheceu lindo e não tivemos problemas na travessia. Saímos por volta das 5:30 da manhã. Foram 4 horas de subida, muito cansativo e depois atravessamos o gelo no topo da montanha.

IMG_3265IMG_3253

Lanchamos no alto do passo com uma vista espetacular e depois mais 5 horas de descida até Tagnag. O caminho é bem difícil, com muitas pedras soltas. Ficamos hospedados no Tashi Friendship Lodge, uma das poucas opções em Tagnag.

Dia 11: Tagnag – Gokyo – Gokyo Ri (9km / 5200m)

Descida até o belíssimo vale de Gokyo, caminhando parte da manhã sobre um glaciar coberto por terra e pedras.  Em uma parte é preciso correr, pois caem pedras do alto quando o vento está forte. Após uma grande subida, a primeira vista dos lago é inesquecível. Um azul inexplicável em meio a uma paisagem deslumbrante.

FullSizeRender (3)

A caminhada até Gokyo é curta e chegamos a tempo pro almoço. Na parte da tarde, subimos ao mirante Gokyo Ri para uma vista panorâmica da área.

view-from-gokyo-peak

A hospedagem foi boa no Namastê Lodge, onde tem um restaurante com uma bela vista para o lago e as montanhas.

Dia 12: Gokyo – Phortse Thenga (16km / 3900m).

Descida bem longa, passando por lagos no início e belas paisagens. Passamos primeiro pelo vilarejo de Machermo e paramos para almoçar em Dole.

FullSizeRender (5)img_3335.jpg

Nevou bastante esse dia e vimos alguns animais selvagens, como o bode da montanha e o veado do himalaia.  Ficamos na Phortse Thenga Guesthouse, uma das únicas hospedagens no local. Tudo muito simples. Um dos poucos locais que não tinha internet disponível para comprar.

Dia 13: Phortse Thenga – Namche Bazaar (7km / 3400m)

Dia de trekking leve até Namche. Tivemos a última vista do Everest. Foi muito bom chegar em Namche cedo, tomar um banho quente depois de alguns dias só no lenço umedecido e descansar para a parte final do trekking. Ficamos novamente no Green Tara Lodge.

IMG_3355

Dia 14: Namche Bazaar – Lukla (21km / 2900m)

Dia longo que começa com uma descida interminável que acabou com meu joelho. Por sorte era o final do trekking. Esse dia pode ser dividido em 2, dormindo em Phakding ou Monjo, mas estávamos tão exaustos e doidos para terminar o trekking, que usamos nossas últimas energias para acabar logo.  Ficamos hospedados no The Nest Lodge.

DSCN1449

Dia 15: Vôo de volta de Lukla para Kathmandu

Foram 15 dias dormindo em Tea houses e comendo muito Dal Bhat, macarrão, sopas e omeletes, além de chás de limão e gengibre. Dal Bhat (foto) é um dos pratos típicos do Nepal e é composto de arroz branco, curry de legumes, espinafre, caldo de lentilha, pimenta e um biscoito frito. Momos (bolinhos recheados) e carne de Yak também são bem comuns.

Durante todo o trekking não comi carne nenhum dia por recomendação do guia. Considerando a forma que os alimentos são transportados e armazenados nas montanhas, comer carne pode representar um risco à saúde e um problema intestinal pode resultar em terminar o trekking precocemente. Sugiro deixar para experimentar o famoso Yak Burguer ou demais pratos com carne de Yak em Kathmandu.

IMG_2930

Ao total foram 162km de trekking. As distâncias e a altitude citadas aqui são aproximadas e foram medidas por GPS durante o trekking.

Como fazer o trekking?

Agência

É com certeza a maneira mais cômoda de fazer o trekking. Existem muitas agências e foi muito difícil escolher uma. Pesquisei muito e cheguei a conclusão que o melhor custo benefício é a Nepal Eco Adventure. Gostei muito do serviço deles e recomendo. O dono Chhatra é muito atencioso e responde aos emails com eficiência. Independente da empresa, evite contratar uma empresa brasileira ou de outro país que não seja o Nepal, a não ser que queira pagar uma fortuna. Vi empresas brasileira na internet oferecendo exatamente o mesmo serviço por 3 vezes o valor que paguei para a Nepal Eco Adventure.

Guia 

Outra opção é contratar apenas um guia e/ou carregador, e fazer  o trekking reservando as passagens por fora e as hospedagens e comida na hora. Essa também é uma boa opção. Vale lembrar que alguns lodges ficam lotados na alta temporada. Essa opção requer chegar cedo em alguns locais com restrição de hospedagem, como Tengboche, Lobuche e Gorak Shep. Recomendo muito o meu guia, Rajendra Karki, mais conhecido como Raj. Ele pode ajudar na organização do trekking e a comunicação pode ser feita pelo email karki_raj2012@yahoo.com

Sozinho

Muitas pessoas fazem o trekking solo. Apesar de ser a opção mais econômica, não é a mais recomendada, considerando que esse trekking exige muito física e mentalmente, além de estarmos sujeitos a alguns riscos como a altitude, comida e lesões.

IMG_3266

Equipamentos necessários

Categorias: Ásia, Nepal | Tags: , , , | 6 Comentários

Navegação de Posts

6 opiniões sobre “Trekking no topo do mundo: Everest Base Camp + Gokyo

  1. Marcelo Marcos

    Que máximo seu relato, ´parabéns !!!!! Relato recente me ajudará a realizar meu sonho de caminhar pelo Himalaia. Vc diz q conseguiu uma passagens de avião do $ 1.000,00 dólares ? Isso deve ter sido um achado, não ? Tenho pesquisado direto Rio X Katmandu e não encontro por menos de 5 mil reais. Qual a média de preços …diárias das Theas Houses ?

    • Com relação à passagem, monitorei os preços por 4 meses e variavam entre 1300 à 1600 dólares. Entre o Natal e o ano novo apareceu uma tarifa de 1000 dólares pela turkish, Brasilia – Guarulhos – Istambul – Kathmandu, com um stopover na voltar para conhecer Istambul (2 dias) nas datas que eu queria, então comprei na hora.

  2. Passagem Brasília – Kathmandu pela Turkish = 1000 dólares

    Pacote Trekking EBC + Gokyo pela Nepal Eco Adventure = 1200 dolares
    * inclui hospedagem e transfer em Kathmandu, voo para Lukla, 15 dias de comida e hospedagem no Trekking, guia, carregadores, saco de dormir, bastão de caminhada, etc…

    Gastos extras em Kathmandu = 100 dólares (Taxi, comida, souvenir)

    Gastos extras no trekking = 250 dólares (banhos, cargas elétricas, sneakers, bebidas extras e gorjetas)

    Viagem de preparação de 5 dias para o Butão = 1400 dólares (caro mas vale cada centavo, ainda tenho q fazer o relato)

    Seguro World Nomads Explorer = 350 reais

    Os gastos foram esses.

    Como peguei o pacote, não sei exatamente os valores das Tea Houses, mas as que eu estive os valores variavam entre 4 e 15 dólares.

  3. ARELI NOGUEIRA DA SILVA JUNIOR

    Sensacional o relato! No caso, você pagou sherpas para carregar as bagagens?

    • No pacote que contratei com a Nepal Eco Adventure estava incluído 1 carregador para 2 pessoas. Portanto consegui mandar metade das minhas coisas (10kg) com o carregador e carreguei o restante.

  4. Andres Neira

    Excelente!!!! Parebéns Thiago, Eu espero fazer este trekking no proximo ano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: